IPDAL

  • Português
  • Français
  • English
  • Español

Partilhe

MENSAGEM DA SANTA SÉ III MAFRA DIALOGUES

O IPDAL partilha a mensagem de paz da Santa Sé, transmitida pelo Secretário para as Relações com Estados, Arcebispo Paul Gallagher, por ocasião do III Mafra Dialogues, no passado dia 28 de abril.

Excelências, Senhoras e Senhores,

Caros amigos,

É com prazer que aceitei o convite do Sr. Paulo Neves, Presidente do Instituto para a Promoção da América Latina e Caraíbas, para abordar esta terceira edição dos “Diálogos de Mafra” e discutir o valor do diálogo inter-religioso como uma ferramenta fundamental de paz e diplomacia.

Vivemos numa uma era em que a paz é algo mais desejado do que propriamente procurado. Esta é uma das razões pelas quais o Papa Francisco acredita que atualmente estamos a viver uma terceira guerra mundial que está a ser travada aos poucos. Todos nós temos o conflito na Ucrânia diante dos nossos olhos. Ele tem recebido ampla cobertura mediática. No entanto, atualmente existem 27 conflitos em andamento em todo o mundo e nenhum deles pode ser descrito como “a melhorar”. Globalmente, os conflitos e a violência estão a aumentar, com 3,2 mil milhões de pessoas a viverem em áreas afetadas por conflitos. Isso é mais de um terço da população mundial! Sem mencionar as 84 milhões de pessoas que foram deslocadas à força no ano passado devido a conflitos, violência e violações dos Direitos Humanos. Somente este ano, estima-se que pelo menos 274 milhões de pessoas precisarão de assistência humanitária (https://www.globalcitizen.org/en/content/facts-about-world-conflicts).

Nesta situação atual que enfrentamos, surge uma pergunta espontânea: o que é a paz e onde é que ela está? O Papa Francisco, na mensagem do último ano para o Dia Mundial da Paz, escreveu: “Em todas as épocas, a paz é tanto um dom do alto quanto o fruto de um compromisso compartilhado. Na verdade, podemos falar de uma ‘arquitetura’ da paz, à qual diferentes instituições da sociedade contribuem, e uma ‘arte’ da paz que envolve diretamente cada um de nós.” (Papa Francisco, Mensagem para o 55º Dia Mundial da Paz, 1 janeiro de 2022.)

A promoção da paz não pode ficar apenas ao nível do artesanato, reduzida a uma coleção de boas ideias ou um encantamento de bons sentimentos. Para verdadeiramente dizer adeus à guerra, precisamos fazer mais do que simplesmente dizer que acolhemos a paz. De facto, a paz nunca é tão simples como o coração imagina, mas é mais simples do que a razão acredita. Diante da complexidade e o emaranhado de problemas, somos tentados a dizer a nós mesmos que a paz depende de mãos mais experientes do que as minhas. Claro, a paz precisa de especialistas, mas também está nas mãos de cada um de nós, passando pelos milhares de pequenos gestos do quotidiano. Todos os dias, através da nossa maneira de conviver com os outros, fazemos uma escolha a favor ou contra a paz. Quantas pessoas hoje estão prontas para protestar ou assinar um manifesto e ainda assim vivem egoisticamente sem sequer considerar o diálogo? Quantos cidadãos vemos hoje a pedir ao governo que tome posições que eles próprios não ousam tomar nas suas próprias vidas? Educar para a paz é tornar cada pessoa um arauto da paz, é ajudar os outros a atingirem seu potencial como construtores da paz.

A paz é um valor e dever universal, um objetivo da convivência social. Portanto, não podemos simplesmente reduzi-la à ausência de guerra ou mesmo a um equilíbrio estável entre forças opostas. Em vez disso, a natureza mais profunda da paz é baseada numa conceção correta da pessoa humana e exige a construção de uma ordem de acordo com a justiça e a caridade. Assim, a paz que realmente desejamos não se baseia na dissuasão de armas.

Devemos buscar uma paz que seja o fruto da justiça, que respeite todas as dimensões que dizem respeito ao ser humano. A paz está em perigo quando cada pessoa humana não recebe o que lhe é devido e sua dignidade não é reconhecida. Noutras palavras, a paz está em risco quando a convivência não é orientada para o bem comum. A paz deve incluir, mas não deve se limitar à prevenção de conflitos e violência, e deve ser vivida como um valor profundo dentro de cada pessoa.

Nesse sentido, esperar que um conflito ou uma guerra comece antes de buscar a paz significa recorrer a remédios apenas quando uma emergência surge. Em vez disso, a paz deve ser construída no dia-a-dia, à medida que estamos à procura de colocas as nossas vidas em ordem e o mundo em que vivemos à vontade de Deus. Devemos desejar uma paz que também seja o fruto do amor. Como as palavras de São Tomás de Aquino nos relembram, “a paz verdadeira e duradoura é mais uma questão de amor do que de justiça, porque a função da justiça é apenas eliminar os obstáculos à paz: a lesão causada ou o dano feito. A paz em si, no entanto, é um ato e resulta apenas do amor” (São Tomás de Aquino, Summa Theologiae, II-II, q. 29, a. 3, ad 3).

Há sessenta anos, o Papa João XXIII argumentou em Pacem in Terris, como “nesta época que se orgulha de seu poder atómico, não faz mais sentido manter que a guerra é um instrumento adequado para reparar a violação da justiça. (Papa João XXIII, Pacem in Terris, 127.)” Da mesma forma, João Paulo II disse: “a guerra não pode ser um meio adequado para resolver completamente os problemas existentes entre as nações. Nunca foi e nunca será! (Papa João Paulo II, Apelo à paz no Golfo Pérsico durante uma mensagem durante uma reunião com os colaboradores do Vicariato de Roma. 17 de janeiro de 1991.)” Isso porque inevitavelmente gera novos conflitos cada vez mais complexos. Quando irrompe, a guerra torna-se um massacre sem sentido, uma aventura sem retorno, comprometendo o presente e colocando em risco o futuro da Humanidade. Como disse o Papa Pio XII em agosto de 1939: “Nada se perde com a paz. Tudo pode ser perdido com a guerra (Pio XIII, Mensagem de rádio, 24 de agosto de 1939.)“.

Em continuidade com esse pensamento, o Papa Francisco enfatizou que “todas as guerras deixam o nosso mundo pior do que era antes. A guerra é uma falha da política e da humanidade, uma capitulação vergonhosa, uma derrota dolorosa diante das forças do mal (Papa Francisco, Fratelli Tutti, 261.)“.

Devia ser óbvio para todos nós que a paz é urgentemente necessária. Hoje, ainda mais do que no passado, cada conflito militar ou foco de tensão e confronto tem necessariamente um “efeito dominó” e compromete seriamente todo o sistema internacional.

Ao mesmo tempo, a paz também pode ter o seu próprio “efeito dominó”. É apropriadamente chamado de “efeito da justiça” (Concílio Vaticano II, Gaudium et spes, 78.). A paz nasce da fraternidade. Ela cresce através da luta contra a injustiça e a desigualdade; é construída estendendo uma mão para os outros (Cf. Papa Francisco, Discurso por ocasião da leitura da Declaração Final e Conclusão do VII Congresso de Religiões Mundiais e Tradicionais, “Palácio da Independência” (Nur-Sultan), 15 de setembro de 2022.).

Existe uma necessidade urgente de um compromisso comum, solidário e abrangente para proteger e promover a dignidade e o bem de todos, uma disposição para demonstrar cuidado e compaixão, trabalhar pela reconciliação e cura e avançar no respeito e aceitação mútuos. Isso representa um caminho privilegiado para a paz (Papa Francisco, Mensagem do 54º Dia Mundial da Paz 1 de 2021.).

As religiões devem estar na vanguarda da promoção da paz, especialmente num momento em que estamos a testemunhar a fragmentação da política e o crescente ceticismo na diplomacia. Os fiéis devem estar na linha de frente na promoção de uma convivência pacífica, e mostrando que a paz é possível, testemunhando a paz, pregando a paz e implorando a paz (Cf. Ibid).

É inegável que a Humanidade precisa da religião se quiser alcançar o objetivo da paz duradoura, pois a religião é uma bússola que nos orienta para o bem e nos afasta do mal, que está sempre à espreita na porta do coração de uma pessoa (cf. Gn 4:7). “As religiões, portanto, têm uma tarefa educativa: ajudar a trazer o melhor de cada pessoa. Nós […] temos uma grande responsabilidade, a fim de oferecer respostas autênticas para os homens e as mulheres que estão à procura, e que muitas vezes estão perdidos entre as contradições tumultuosas do nosso tempo” (Papa Francisco, Discurso durante o Encontro Inter-religioso com o Sheik e com os Representantes das Diferentes Comunidades Religiosas do Azerbaijão, Mesquita “Heydar Aliyev” – Baku, Azerbaijão, 2 de outubro de 2016.).

As religiões, que ajudam a discernir o bem e a colocá-lo em prática através de obras concretas, oração e um diligente cultivo da vida interior, são chamadas a construir uma cultura de encontro e paz, baseada na paciência, compreensão, através de passos humildes, mas tangíveis.

É assim que se cria uma sociedade mais misericordiosa e benevolente. Por sua vez, a sociedade deve sempre buscar superar a tentação de se aproveitar das religiões e dos fatores religiosos. As religiões nunca devem ser instrumentalizadas, nem devem apoiar ou aprovar conflitos e desacordos. “Uma verdadeira paz, fundada no respeito mútuo, no encontro e na partilha, na vontade de ir além dos preconceitos e dos erros do passado, na rejeição de duplos padrões e de interesses egoístas; uma paz duradoura, animada pela coragem de superar barreiras, erradicar a pobreza e a injustiça, denunciar e pôr fim à proliferação de armas e à exploração imoral às custas dos outros” (Ibid).

Na sua última Encíclica, Fratelli Tutti, o Papa Francisco escreve que “uma jornada de paz é possível entre as religiões. O seu ponto de partida deve ser a maneira como Deus vê as coisas” (Papa Francisco, Fratelli tutti, 281.). Esta é outra razão pela qual os fiéis devem encontrar ocasiões para falar uns com os outros, olhar uns nos olhos e trabalhar juntos pelo bem comum e pela promoção da paz. A jornada começa no nível da base e no nível da amizade e da fraternidade dentro das nossas sociedades, o que não significa diluir ou ocultar as convicções mais profundas. Como pessoas de fé, somos desafiados a voltar às nossas fontes, e a concentrar-nos no que é essencial: adoração a Deus e amor ao próximo. A verdade é que a violência não tem base nas nossas convicções religiosas fundamentais, mas apenas na sua distorção.

O sincero e humilde culto a Deus “frutifica não na discriminação, no ódio e na violência, mas no respeito à sacralidade da vida, no respeito à dignidade e à liberdade dos outros e no compromisso amoroso com o bem-estar de todos” (Papa Francisco, Homilia, Santa Missa e Canonização do Beato Joseph Vaz, Colombo, Sri Lanka, 14 de janeiro de 2015.). Portanto, “o terrorismo é condenável e ameaça a segurança das pessoas […]. É devido, antes, a uma acumulação de interpretações incorretas de textos religiosos e a políticas ligadas à fome, pobreza, injustiça, opressão e orgulho” (Documento sobre Fraternidade Humana para a Paz Mundial e a Convivência, Abu Dhabi, 4 de fevereiro de 2019.).

As convicções religiosas sobre o significado sagrado da vida humana permitem-nos “reconhecer os valores fundamentais da nossa Humanidade comum, valores em nome dos quais podemos e devemos cooperar, construir e dialogar, perdoar e crescer; isto permitirá que diferentes vozes se unam na criação de uma melodia de sublime nobreza e beleza, em vez de gritos fanáticos de ódio” (Papa Francisco, Discurso às Autoridades Civis, Sarajevo, Bósnia-Herzegovina, 6 de junho de 2015.).

Infelizmente, em algumas ocasiões, alguns grupos envolvem-se em violência fundamentalista, independentemente da religião específica, encorajados pela imprudência dos seus líderes. No entanto, como escreve o Papa Francisco, “o mandamento da paz está inscrito nas profundezas das tradições religiosas, [… e] os líderes religiosos, [… são chamados a ser verdadeiras ‘pessoas de diálogo’, a cooperar na construção da paz não como intermediários, mas como autênticos mediadores. Os intermediários procuram dar a todos um desconto, em última análise, para obter algo para si mesmos. O mediador, por outro lado, é aquele que não retém nada para si, mas que se gasta generosamente até ser consumido, sabendo que o único ganho é a paz. Cada um de nós é chamado a ser um artesão da paz, a unir e não dividir, a apagar o ódio e não se apegar a ele, a abrir caminhos de diálogo e não a construir novas paredes” (Papa Francisco, Discurso no Encontro Internacional pela Paz organizado pela Comunidade de Sant’Egidio, 30 de setembro de 2013).

Portanto, um dos primeiros e mais fundamentais passos que as religiões devem tomar para cooperar na promoção da paz é “nunca incitar a guerra, atitudes odiosas, hostilidade e extremismo, nem devem incitar a violência ou derramamento de sangue. Estas trágicas realidades são consequências de um desvio dos ensinamentos religiosos. Resultam da manipulação política das religiões e das interpretações feitas por grupos religiosos que, ao longo da história, se aproveitaram do poder do sentimento religioso nos corações dos homens e das mulheres” (Documento sobre a Fraternidade Humana para a Paz Mundial e a Convivência Comum, Abu Dhabi, 4 de fevereiro de 2019.).

Dito isto, acredito que a questão real do nosso tempo não é como avançar com as nossas próprias causas, mas que tipo de propostas de vida estamos a oferecer às gerações futuras. Como é que podemos ter certeza de que deixá-las com um mundo melhor do que o que recebemos? Deus e a própria História perguntar-nos-ão se passamos nossas vidas em busca pela paz. São as gerações mais jovens, que sonham (Cf. Papa Francisco, Discurso no Encontro Inter-religioso com o Sheikh e com os Representantes das Diferentes Comunidades Religiosas do Azerbaijão, Mesquita Heydar Aliyev – Baku, Azerbaijão, 2 de outubro de 2016).