Notícias

IPDAL explica as prioridades definidas pelo Parlamento Europeu para o relacionamento da União Europeia com a América Latina e Caraíbas.

O documento aprovado a 13 de Setembro de 2017 destaca que, na sequência da crise económica, a União Europeia (UE) e os países da América Latina e Caraíbas (ALC) enfrentam desafios comuns nos domínios do desenvolvimento económico sustentável, da luta contra o desemprego, da inclusão social e igualdade entre homens e mulheres.

É salientado também que os desafios globais proporcionam novas oportunidades e canais de cooperação, para um bom funcionamento da aliança estratégica UE-ALC.

Apesar de se ter registado uma redução nos números da pobreza ao longo da última década, na região ALC, a desigualdade socioeconómico continua a ser o maior obstáculo no desenvolvimento do sub-continente. De acordo com o Parlamento Europeu, os caminhos para superar estes desafios passam pelo desenvolvimento social inclusivo, pela distribuição equitativa da riqueza e por uma melhoria dos serviços públicos de saúde e educação. Analisado o novo cenário geopolítico, a região ALC deve ser vista como uma prioridade estratégica e uma oportunidade para a política externa da UE, visto que ambas as regiões partilham uma visão e valores comuns sobre o multilateralismo, o diálogo e o Estado de Direito.

O Parlamento Europeu defende que parceria UE-ALC deve ter em conta as diferenças económicas entre as regiões, para não piorar as assimetrias entre os continentes, e deve considerar a crescente presença de empresas europeias na região como um factor de fortalecimento das economias latino-americanas.

No que diz respeito ao desenvolvimento das relações político-económicas, a Resolução congratula o protocolo de adesão do Equador, Colômbia e Peru ao Acordo de Comércio Livre com a UE; realça a importância de se afirmar o Acordo Global UE-México, bem como o Acordo de Associação com o Chile; destaca a assinatura do Acordo de Diálogo Político e de Cooperação da UE com a República de Cuba; refere o dinamismo da Aliança do Pacífico propondo que a UE participe como Observador nesta Aliança.

A Resolução apoia ainda nova Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e considera fundamental que se acelerem as negociações entre a UE e o Mercosul, com vista à obtenção de um acordo mutuamente benéfico e equilibrado para os dois blocos, capaz de reforçar as relações históricas, sociais, económicas e culturais como também a confiança entre os povos.

Quanto ao financiamento à economia, a resolução apoia o aumento do mandato de concessão de empréstimos externos do Banco Europeu de Investimento para a América Latina, para reforçar o desenvolvimento e o apoios às PME. Por fim, o texto aprovado reconhece a importância das Cimeiras Ibero-Americanas e destaca a aposta da Secretaria-Geral Ibero-Americana (SEGIB) em domínios como a juventude, a educação e o empreendedorismo.

O documento envia ainda uma mensagem de defesa da democracia e da paz, reiterando o apoio ao processo de paz na Colômbia, como passo fundamental para o futuro dos colombianos e para a estabilização da região. Expressa ainda a sua preocupação com a a atualidade socioeconómica e política na Venezuela.

 

Fotografia: http://www.europarl.europa.eu/meps/pt/about-meps.html