Economia

A Economia da América Latina tem conhecido, de uma forma geral, um crescimento notável desde meados da década de 90, com a esmagadora maioria dos países a registarem aumentos significativos dos seus Produtos Internos Brutos, inflações controladas, taxas de desempregos baixas, aumento das exportações e do investimento direto estrangeiro, dívidas externas em valores moderados e reservas de divisas estrangeiras confortáveis. Nos anos 2000-2010, a região conheceu um crescimento médio de quase 5% e, pela primeira vez na História, as classes médias ultrapassaram em número as populações pobres. Com efeito, a maioria dos países atravessou a crise económica e financeira de 2009 em crescimento e praticamente sem se ressentir.

 

As exportações portuguesas para a América Latina mais do que duplicaram em apenas quatro anos, de 2009 a 2013, ultrapassando já os 3 mil milhões de euros e representando perto de 5% do total das nossas vendas ao exterior. Os destinos tradicionais são Brasil, México, Venezuela e Argentina mas os países para onde mais têm crescido as exportações nacionais são Colômbia (59,1%), Peru (58,3%), Uruguai (54,8%) e Paraguai (360,8%).

 

Quanto ao investimento português na região, este tem-se concentrado sobretudo no setor da Construção, Obras Públicas e Infraestruturas, Turismo, Energia, Agronegócio, Telecomunicações, Farmacêutico e Novas Tecnologias.

 

Nesta secção, o IPDAL irá apresentar estudos, relatórios e notícias das principais tendências económicas registadas na América Latina, bem como dados sobre comércio e informações relevantes para as empresas portuguesas.