Notícias

 

O Vice-Presidente do Banco Mundial (BM) para a América Latina e Caraíbas afirmou que os altos níveis de crescimento vão regressar à região.

 

Em declarações à agência EFE, no contexto do Fórum Peru-OCDE 2016, Jorge Familiar afirmou que os anos de recessão económica estão próximos do fim e que serão substituídos por um período de garantido crescimento económico. Para o responsável do BM, apesar da próxima subida ser incomparável à da “época dourada”, dos anos 2000-2010, na qual se deu o auge das matérias-primas, o desenvolvimento que se espera é sem dúvida notável.

A agenda latino-americana do Banco Mundial definiu como prioridade o auxílio aos países da região, no processo de adaptação ao novo contexto económico e, para tal, é necessária uma integração regional de modo a potenciar uma integração global. Este desenvolvimento assentará na promoção de um crescimento inclusivo, que passa pela reativação do processo de transformação social. Neste contexto, Familiar afirmou que verá concretizado o objetivo do Banco Mundial: a classe média latino-americana finalmente superar, em número, a população pobre.

Para tal, será levado a cabo um programa de proteção social, que visa a integração dos beneficiados na estrutura produtiva. Neste contexto será determinante o investimento do setor privado, mas também o fomento de iniciativas público-privadas, de modo a potenciar o desenvolvimento de infraestruturas.

A sustentabilidade social representa assim, para a atual presidência do Banco Mundial, um assunto da maior relevância. Para além disso, de acordo com as declarações de Jorge Familiar, é urgente a priorização de assuntos como a transparência e a prestação de contas no processo político, mas também uma política de “zero tolerância à corrupção”.

O Vice-Presidente do Banco Mundial declara ainda que “a região caminha na direção correta”, acrescentando um especial elogio ao Peru que, de acordo com Familiar, tem sido bastante bem-sucedido no processo de redução da pobreza e de transformação social do país.